terça-feira, 23 de junho de 2009

Zíngaro e Ferrandini no Trem Azul


Foto: Nuno Martins

TREM AZUL JAZZSTORE
QUA.24. JUN | 19:30|
CARLOS ZÍNGARO + GABRIEL FERRANDINI

Carlos Zíngaro - violino
Gabriel Ferrandini - bateria, percussão

Não é todos os dias que tal acontece. Um pioneiro do free jazz e da improvisação livre em Portugal na década de 1970, Carlos “Zíngaro”, encontra-se em concerto com um dos mais convincentes músicos da novíssima geração nessas mesmas áreas, o baterista e percussionista Gabriel Ferrandini. São 37 os anos que os separam, e este encontro teria o simbolismo de uma passagem de testemunho se o violinista, um dos mais respeitados improvisadores a nível planetário, não continuasse a ocupar a linha da frente da inovação musical, envolvido em projectos que continuam a germinar o futuro. Não se trata, pois, do fechar de um ciclo a fim de dar início a outro, mas da comprovação de que a viagem pelo tempo do jazz e da criação espontânea de música é feita por todos em conjunto, quem chegou primeiro e “inventou” as formas e quem agora se está a revelar, adoptando-as e prosseguindo-as com a mente no que vem a seguir. A combinação instrumental proposta é altamente invulgar: raras vezes se constituíram duos de violino e bateria, mas os que já houve são uma sólida referência, como o de Leroy Jenkins com Rashied Ali ou os de Billy Bang com Kahil El’Zabar ou com William Hooker. Se essas difíceis combinatórias fizeram história, esta decerto que também ficará gravada na memória de todos os que testemunharem tão especial momento. Imperdível!

Entrada 3 euros

2 comentários:

NM disse...

Olá Ricardo,

Descobri que utilizou esta fotografia de Carlos Zíngaro para ilustrar o post sobre o concerto em duo com Gabriel Ferrandini.
Como autor da fotografia, solicito que identifique a autoria da mesma, com a inserção do meu nome.
Compreendo que, possivelmente, desconhece a autoria da referida fotografia, por isso, uso este meio para rectificar esta situação.
Com os melhores cumprimentos,
Nuno Martins

Ricardo Ramalho disse...

Caro Nuno,
Mil desculpas pelo lapso, que se deveu efectivamente a desconhecimeno do seu autor.
Aqui fica a correcção.
Obrigado.